Sitobact®

  • Sitobact®
HTML Editor - Full Version

Suplemento alimentar com pré-biótico (inulina), pro-bióticos (composição múltipla da fibra intestinal eubiótica), Zinco e Vitaminas (B9, B12 e D3) que contribui eficazmente para a reposição de uma flora intestinal eubiótica, condição necessária a um estado de saúde equilibrado e sustentável.

 

Características

A flora intestinal desempenha inúmeras funções no organismo humano, destacando-se a estimulação do sistema imunitário na proteção contra diversas infeções. Participa em diversos processos enzimáticos, contribui para o fornecimento de vitaminas (K, B12, folato, biotina, riboflavina), facilita a absorção de cálcio, magnésio e ferro e participa no metabolismo de substâncias que fazem parte da circulação entero-hepática, facilitando a digestão e, provavelmente, induzindo à regularização dos movimentos peristálticos.¹

A palavra “Probiótico”, deriva do grego e significa “para a vida”. Atualmente é aplicado a suplementos alimentares benéficos que contribuem para o equilíbrio da microbiota humana, ou seja, os probióticos são definidos como microrganismos viáveis (lactobacillus, bifidobacterium, entre outros) que após ingestão permitem melhorar as propriedades da microflora intestinal humana.

Género Bifidobacterium

Bifidobactérias foram isoladas pela primeira vez por Tissier em 1900, que as descreveu como microrganismos anaeróbios em forma de bastonete, microrganismos, não-produtores de gás com morfologia bífida, presentes nas fezes de bebés amamentados a leite materno. As bifidobactérias são filogeneticamente agrupadas no ramo actinomicete gram-positivas, não formadoras de esporos, anaeróbias não-móveis, catalase-negativas e caracterizadas por um teor de citosina guanina mais elevado (G+C), propriedades fisiológicas e bioquímicas diferentes incluindo os constituintes da parede celular.²

São heterofermentativas produtoras de ácido láctico e acético sem formação de CO , com exceção da via de degradação de gluconatos. Além da glucose, todas as bifidobactérias são capazes de utilizar a galactose, a lactose e, geralmente, a frutose como fonte de carbono. O pH óptimo situa-se entre 6 e 7 e a temperatura óptima de crescimento é de 37º - 41 º C.

As bifidobactérias são microrganismos importantes na flora intestinal e geniturinária humana. A sua quantidade é determinada pela idade e dieta alimentar. A microflora intestinal dos bebés é constituída maioritariamente por bifidobactérias, que proliferam logo após o nascimento, por estimulação da caseína (glicoproteína presente em grande quantidade no colostro e em menor quantidade no leite materno).

As espécies de bifidobactérias presentes na microbiota intestinal alteram-se com a idade, ocorrendo uma predominância das Bifidobacterium infantis e Bifidobacterium brevis nas crianças. As Bifidobacterium adolescentis substituem as Bifidobacterium infantis na adolescência, enquanto nos adultos predominam as Bifidobacterium longum.

O número de bifidobactérias diminui com o aumento da idade do indivíduo. Eventualmente poderá transformar-se no terceiro género mais abundante, representando cerca de 25% do total da flora do intestino adulto.

Com o aumento da idade ocorre uma redução significativa no número de bifidobactérias, enquanto as bactérias contaminantes, tais como espécies de clostridium e coliformes tendem a aumentar, normalmente, como resultado da diminuição da secreção de suco gástrico neste grupo etário.

Género Lactobacillus

Foram isoladas a partir de fezes de bebés amamentados a leite materno, pela primeira em 1900, por Moro, que as descreveu como microrganismos anaeróbios facultativos em forma de bastonetes. Com a evolução da microbiologia são caracterizados como não formadores de esporos, não-flagelados, não-móveis e gram-positivos.²

Os lactobacilos são aerotolerantes ou anareóbios estritamente fermentativos, sendo a glicose a sua principal fonte de carbono.

Para além da glicose a maioria dos lactobacilos pode fermentar amigdalina, celobiose, frutose, galactose, lactose, maltose, manose, salicina, sacarose e trealose.² O seu pH óptimo para crescimento é de 5,5 - 6,0 e a sua temperatura óptima, entre os 35º - 40º C. Os lactobacilos são microrganismos importantes na flora intestinal e geniturinária humana. A sua proliferação depende de diversos fatores como o pH, disponibilidade de O2 , substratos específicos, etc.

Streptococcus thermophilus

O Streptococcus thermophilus é uma bactéria produtora de ácido láctico, gram-positiva termófila, cuja parede celular é composta de N-acetilglucosamina (NAG) e do ácido N-acetilmurânico (NAM). Esta estrutura única permite S. thermophilus suportar temperaturas elevadas (crescimento óptimo a 45°C).

São caracterizados como não-móveis, não formadores de esporos. S. thermophilus é uma bactéria anaeróbia facultativa, ou seja, organismo que é capaz de gerar ATP, tanto através da respiração aeróbica como por fermentação (dependendo da presença ou ausência de oxigénio). Embora S. thermophilus esteja intimamente relacionado com outros estreptococos patogénicos (como S. pneumoniae e S. pyogenes) é classificado como um não-patogénico, pois não contem no seu genoma genes ou pseudogenes que expressem proteínas de superfície (excepção de lipoproteínas) que permitam aderir à mucosa do hospedeiro e proliferar de forma patogénica (as proteínas de ligação são um dos principais fatores de virulência).

A lactose é a principal fonte de carbono e energia para muitas bactérias lácticas, incluindo S. thermophilus.

Inulina

As inulinas são um grupo de polissacáridos, produzidos naturalmente por diversas plantas. As inulinas pertencem a uma classe de fibras alimentares conhecidos como frutanos. A inulina é utilizada por algumas plantas como um meio de armazenamento de energia e é normalmente encontrado em raízes ou rizomas.³

A inulina foi descoberta em 1804, por Valentin Rose, que ao proceder a uma extracção a quente das raízes de Helenium inula, detectou uma substância a que chamou inulina devido a planta de onde foi extraída. A inulina é um conjunto heterogéneo de polímeros de frutose, em que as ligações fructosil-frutose constituem a maioria das ligações glicosídicas β (2,1). A inulina não sofre digestão enzimática no trato gastrointestinal superior, atingindo o cólon, praticamente intacta, onde sofre fermentação bacteriana.⁴

O efeito nutricional mais conhecido da inulina é a sua ação bifidogénica. Um intestino equilibrado e saudável implica a presença de uma microbiota intestinal, também ela saudável. A inulina é importante por ter a capacidade de estimular o crescimento e manutenção das espécies bacterianas da flora comensal, especialmente os lactobacilos e as bifidobactérias.⁴

Apesar de ser um polissacárido, como não é digerida pela amilase e não é absorvida, é bem tolerada por diabéticos, não influencia os valores da glicémia.

Zinco

Zinco como oligoelemento essencial é importante para a homeostasia imunitária. Atua ativamente nos mecanismos imunitários, como por exemplo quando é necessária a ativação e proliferação dos linfócitos, bem como na indução da blastogénese das células B. É também um componente de hormona peptídica timulina que desempenha um papel importante na maturação dos linfócitos T.

No intestino encontram-se as estruturas GALT (tecido linfóide associado ao trato gastrointestinal), componentes do sistema imunitário que estão dependentes da microbiota intestinal e de zinco para exercer a sua função.

Ácido Fólico e Vitamina B12

Importantes vitaminas associadas ao crescimento e ao sistema imunitário. Participam na divisão celular, sendo portanto importantes para tecidos com rápida renovação como é o caso da mucosa intestinal e células sanguíneas.

O ácido fólico ou folato, vitamina pertencente ao complexo B (vitamina B9), participa no metabolismo dos aminoácidos e da síntese dos ácidos nucléicos. É essencial para a formação das células do sangue. A deficiência de folato pode ser a hipovitaminose mais comum.

O folato é amplamente encontrado nos alimentos, no entanto entre 50 a 95% é perdido durante o processamento e preparação dos alimentos. O álcool interfere na sua absorção e/ou aumenta a sua excreção. A absorção de folatos diminui com a ingestão de medicamentos, anticoncecionais e cafeína.

O ácido fólico depende da presença de cianocobalamina (Vitamina B12), para o seu funcionamento. A vitamina B12, ou cianocobalamina, faz parte de uma família de compostos denominados genericamente de cobalaminas. É uma vitamina hidrossolúvel, sintetizada exclusivamente por microrganismos, encontrada em praticamente todos os tecidos animais e armazenada primariamente no fígado na forma de adenosilcobalamina. É indispensável no organismo humano para a produção de eritrócitos e manutenção das células nervosas.

Vitamina D3

A vitamina D é uma vitamina lipossolúvel, essencial à manutenção do metabolismo do cálcio. A vitamina D3 (colecalciferol) pode ser sintetizada por seres humanos através da exposição a raios ultravioletas B (UVB) através da exposição solar diária, ou obtida a partir da alimentação. As plantas sintetizam ergosterol, substância similar ao calciferol, que é convertido em vitamina D2 (ergocalciferol) por ação da luz ultravioleta.

A vitamina D parece interagir com o sistema imunológico através de sua ação sobre a regulação e a diferenciação de células imunitárias, como os linfócitos, macrófagos, células NK, e com a produção de citoquinas. Dos efeitos imunomoduladores demonstrados destacam-se: diminuição da produção de interleucina-2 (IL-2), interferão-gama (INFγ), fator de necrose tumoral (TNF), inibição da expressão de IL-6 e da secreção e produção de anticorpos pelos linfócitos B.⁵


Indicações

  • Reposição da flora intestinal.
  • Distúrbios do trato gastrointestinal.
  • Obstipação.
  • Diarreia.
  • Pós-antibioterapia.
  • Colite.
  • Reforço do sistema imunitário.
  • Infeções do trato geniturinário. 



A informação contida nesta página, não substitui a opinião de um técnico de saúde.

Apresentação
Apresentação Embalagem de 30 cápsulas.
Toma Diária Recomendada
TDR 1 ou 2 cápsulas, por dia. A cápsula deve ser ingerida inteira com bastante água.
Composição
Ingredientes por cápsula 6x10 ⁹ UFC de Mistura de Lactobacilos (L. acidophilus, L. rhamnosus, L. casei, Streptococcus thermophilus, Bifidobacterium longum); 330 mg de Inulina; 7,0 mg de Zinco (sob a forma de Citrato); 300 de µg de Ácido Fólico (vitamina B9); 25 µg de Vitamina B12; 10 µg de Vitamina D3. Excipientes: Celulose microcristalina (Agente de volume), Estearato de magnésio, Maltodextrina (Antiaglomerantes). Cápsula: Celulose, Dióxido de titânio (Corante). UFC – Unidades formadoras de colónias.
Recomendações
Efeitos adversos Os efeitos adversos mais comuns incluem inchaço e flatulência, no entanto, estes são geralmente ligeiros e desaparecem com o uso continuado.
Interações Vitaminas: Hipervitaminose de Vitamina D3, B12 e Ácido fólico. Vitamina D3: Antiácido, contendo sais de alumínio, Análogos da Vitamina D3 (calcipotriol), Digoxina, Antiarrítmicos e Bloqueadores da entrada do cálcio (diltiazen e verapamilo), Diuréticos tiazidicos (hidroclorotiazida). Vitamina B12: Aminoglicosídeos, Antiepiléticos, Biguanidas, Clorafenicol, Colestiramina, Sais de potássio, Dopametilo e Agentes antiácidos. A administração concomitante de contracetivos orais e vitamina B12 pode provocar a diminuição da concentração plasmática desta vitamina. Ácido Fólico: Antiepiléticos, Antibacterianos e Sulfassalazina. Zinco: Antibióticos (Quinolonas, Tetraciclina, Cisplatina e Penicilamina) e Diuréticos.
Contra-Indicações Lactose ou leite e em indivíduos imunossuprimidos. Relativamente às Bifidobacterium e S. thermophilus não existem contra-indicações já que são considerados GRAS (Generally Recognized as Safe). Vitaminas: Hipervitaminose de Vitamina D3, B12 e Ácido fólico. Vitamina D3: Hipercalcémia. Vitamina B12: Não administrar na mulher grávida com anemia megaloblástica. Doença de Leber (atrofia hereditária do nervo ótico) nem na ambliopia tabágica ou alcoólica pois a neuropatia ótica pode ser agravada. Zinco: Excesso de zinco.
Advertências Não deve ser administrado a doentes oncológicos, devido à presença de Ácido fólico e Vitamina B12. Os Lactobacillus podem afetar a sensibilidade à insulina.
Recomendações Não deve ser excedida a toma diária recomendada. Os suplementos alimentares não são substitutos de um regime alimentar variado e equilibrado nem de um modo de vida saudável. Conservar na embalagem original protegida da luz, em local seco e a temperatura inferior a 25°C. Manter fora da vista e do alcance das crianças. O uso seguro durante a gravidez e amamentação não foi estabelecido. Na ausência de dados suficientes, o uso durante estes períodos não é recomendado. O produto não deve ser utilizado no caso de hipersensibilidade ou alergia a qualquer um dos constituintes da formulação.

Inserir Comentário

Obs: HTML não é suportado!
    Fraco           Bom
Captcha
  • Fabricante: Köhler
  • Código do produto: Embalagem de 30 cápsulas
  • Disponibilidade: 10
  • 24.37€


Produtos Relacionados

Cloreto de Magnésio PA

Cloreto de Magnésio PA

CaracterísticasO Magnésio é o segundo catião intracelular mais abundante e intervém em diversos pro..

5.00€

Vitamina D3  Köhler 2000 UI

Vitamina D3 Köhler 2000 UI

Alimento dietético destinado a fins medicinais específicos.Nota importante: Este produto deve ser co..

10.38€

Tags: Intestino, Vitamina D3, Vitamina B9, Vitamina B12, Zinco, Inulina